Tratamento da mordida aberta esquelética no paciente adulto
Juan Carlos Pérez Varela
O tratamento ortodôntico em pacientes adultos com uma discrepância esquelética pode ser complicado. 50% dos meus pacientes são adultos, e uma elevada percentagem desses pacientes adultos que chegam ao nosso consultório sofrem de uma má oclusão grave. De acordo com a Proffit, temos 2 opções para tratar esses pacientes: tentar compensar a má oclusão esquelética apenas com ortodontia ou realizar cirurgia ortognática. Nesta conferência, vou analisar as vantagens e desvantagens dessas duas opções, focando a minha atenção no tratamento da mordida aberta esquelética. Uma mordida aberta esquelética anterior é uma má oclusão complicada para o ortodontista, devido à dificuldade do tratamento e a instabilidade da correção. As opções de tratamento para o paciente adulto incluem extrações, extrusão anterior com elásticos intermaxilares, intrusão posterior com ancoragem esquelética, ajuste oclusal e cirurgia ortognática. A colaboração do paciente desempenha um papel fundamental no tratamento e na estabilidade pós-tratamento. Vou analisar em que casos compensa realizar a cirurgia ortognática e em que casos podemos obter um resultado aceitável apenas com ortodontia.